Ads 468x60px

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Polícia prende traficante disfarçado de pastor em fuga no Alemão


Para fugir do cerco da polícia no Conjunto de Favelas do Alemão, um traficante se disfarçou de pastor evangélico e, com a Bíblia na mão, seguiu viagem rumo a Volta Redonda, no Sul Fluminense. No entanto, a fuga do criminoso foi frustrada na tarde deste sábado (27) pelos agentes da Delegacia de Roubos e Furtos de Automóveis (DRFA).

De acordo com o delegado da DRFA, Marcio Mendonça Dubugras, o traficante conhecido como Leandrinho chefiava a venda de drogas em Volta Redonda, Angra dos Reis e Barra Mansa, todas no Sul Fluminense. Contra Leandrinho, há seis mandados de prisão e 12 anotações crimininais.

“Cercamos ele no acesso a Volta Redonda. Ao ser preso, ele confessou que estava no Conjunto de Favelas do Alemão e que planejou a fuga para não ser preso”, disse o delegado.

Ainda neste sábado, outros seis criminosos com funções importantes na hierarquia do tráfico foram presos. Um deles, conhecido como Playboy, é apontado pela polícia como o homem de confiança do traficante Fernandinho Beira-Mar, que cumpre pena no Presídio de Segurança Máxima de Mato Grosso do Sul.

“Eu sou convertida há 13 anos”, afirma Gretchen que casará com filho de pastor

No começo de novembro, a assessoria de imprensa da cantora Gretchen enviava comunicado à imprensa avisando que ela iria se casar mais uma vez, no dia 15 de dezembro. A notícia chamava atenção pelo fato de Gretchen ter acabado de se separar – ela terminou seu casamento com Demmis Miranda em setembro desse ano -, e também por ela estar prestes a completar sua 14º união, a sexta no papel. Tudo bobagem segundo ela.

“As pessoas falam da separação, mas isso não foi de agora. Meu casamento já não vinha bem desde o início do ano, mas foi terminar em setembro. Sobre meus relacionamentos, as pessoas falam demais. A Luana Piovani, a Galisteu, namoram e casam tanto quanto eu, e ninguém fala nada. Acho que falam de mim porque dá ibope. Mas acredito no amor e quero ser feliz”, disse a cantora que agora está às voltas com os preparativos para a festa, e também com sua mudança de Recife para Goiânia, onde mora o noivo.

Por que decidiu se casar novamente e tão rápido? Está apaixonada?
GRETCHEN: Não estou apaixonada, não. A paixão é uma coisa fugaz. O que existe entre a gente é amor. Além disso, eu conheci o Silvio na política, ele é filho de um pastor da igreja Assembléia de Deus, e foi ele quem me propôs o casamento. Ele foi muito claro e direto. Disse que gostava de mim, mas que era sério e não podia namorar se não tivesse um objetivo, que era formar uma família.

Essa objetividade não te assustou? Ou te encantou, pelo fato de ser um homem sério que sabe o que quer?
As duas coisas. Foi muito rápido e não esperava. Mas, por outro lado, ele me encantou pela coragem e determinação.

E a diferença de idade? Pesou entre vocês?

Na verdade, fui eu quem falou tudo isso para ele. Disse: tenho 51 anos e você 30. E ele: ‘não importa, diferença de idade não muda nada entre a gente’. Disse também: ‘Tenho cinco filhos para criar’. E ele: ‘Não importa, eu te ajudo a criar. Meu sonho sempre foi formar uma família, ser pai. Quero um casamento para sempre. Para mim, casamento é sagrado. Esse é o único impedimento para a gente ficar junto. Só se você não quiser casar.’ Não tive como dizer não, fiquei encantada com ele e acho que dessa vez é para sempre.

Você disse que o Sílvio é filho de pastor, é evangélico. Você também vai se converter?
Eu já sou convertida há 13 anos.

Convencido pela mãe evangélica, traficante se entrega à polícia no Rio de Janeiro

Foi com frases doces e preocupação de uma mãe zelosa que Nilsa Maria dos Santos, de 53 anos, conseguiu convencer o filho Diego Raimundo Silva Santos, o Mister M, de 25 anos, a se entregar à polícia, na tarde deste sábado (27), no Rio. O traficante, também conhecido como 50 – por ser fã do cantor americando Fifty Cent – era o segurança e braço direito de Pezão, o chefe do tráfico do conjunto de favelas do Alemão, na Zona Norte do Rio.

“Disse pra ele: Diego vamos para casa com a mamãe. E ele respondeu: ‘Não, mãe. Se ficar em casa, eles vão me prender’. E eu disse: então vai comigo e seu irmão que é cristão que eu vou te apresentar na delegacia. Ele aceitou”, contou dona Nilsa, mãe de dez filhos e que trabalha num trailer vendendo comida na Vila da Penha, no subúrbio do Rio.

Ela contou que nunca aceitou a entrada do filho no crime e que vivia tentando convencê-lo a mudar de vida. Disse que foi até a casa do filho, na favela da Grota, no Alemão, e desceu com ele pela Rua Joaquim de Queiróz, onde a polícia montou uma base para que traficantes se entreguem. Mas ela não parou lá.

Anos atrás, Diego e alguns dos irmãos integraram o programa social Pró-Jovem, que tinha o delegado Luiz Fernando como um dos coordenadores. Ela procurou o delegado, que é adjunto na 6ª DP (Cidade Nova), mas que estava baseado na 22ª DP (Penha) e combinou a rendição do filho. Diego se apresentou na 6ª DP.

‘Nunca aceitei isso’
“Nenhum dos meus filhos seguiu esse caminho. Nunca aceitei isso”, disse ela, acrescentando que tem filho pastor evangélico, estudante, motorista e o mais novo é jogador de futebol do juniores do Vasco da Gama.

Como cristã, ela disse que agradece a Deus a oportunidade de ter conseguido entregar o filho com vida à polícia e que tem certeza que de agora em diante, tanto ela quanto os irmãos e até mesmo Diego estão começando uma vida nova.

Para as mães de outros traficantes, ela deixa uma mensagem: “Agora estou feliz. Para os outros, aconselho que se convertam, que larguem isso porque contra a força de Deus não há resistência. Agradeço a Deus, em nome de Jesus, eu consegui. Orei muito. Prefiro vê-lo agora preso. Sei que ele vai sair convertido”, disse dona Nilsa, acrescentando que Diego estava dentro da casa dele, na favela da Grota, no Alemão, dormindo quando ela foi até lá convencê-lo a se entregar.

“Excluir Facebook não dará resposta à infidelidade”, afirma pastor americano

A prevenção da infidelidade no casamento envolve mais do que apagar uma conta no Facebook, de acordo com Fred Lydbrand, um pastor de 25 anos.

Na verdade, ele diz que forçar um cônjuge a extinguir a sua conta no Facebook ou fazer algo contra a sua vontade, poderia ser mais prejudicial do que útil para o casamento.

“A solução real é que as duas pessoas estejam em relação, pois eles estão livremente nela,” diz Lydbrand, que foi casado por 28 anos. “Controle e manipulação cobre o amor e, em seguida, a próxima coisa você sabe é que eles estão procurando isso em outro lugar.”

Lydbrand estava respondendo a comentários recentes feitos pelo Rev. Cedric Miller, o pastor de New Jersey que ganhou as manchetes depois que ele disse à 50 líderes de Igreja para pararem de usar o Facebook ou demitirem-se das suas posições de liderança na Igreja Living Word Christian Fellowship.

Miller, que está temporariamente deixando o cargo após um relacionamento de triângulo amoroso que ele tinha há uma década atrás reapareceu na mídia, disse que fez o pedido depois de 20 casais de sua Igreja virem até ele aconselharem-se sobre um cônjuge se reconectar com uma antiga paixão no Facebook.

Lydbrand disse que também tinha advogado para casais que enfrentam infidelidade e problemas conjugais ligados ao site de redes sociais enquanto era pastor da Igreja Northeast Bible em Garden Ridge, no Texas.

Mas resolver os problemas infidelidade no casamento, geralmente, envolvem uma abordagem mais profunda que a simples remoção de tentações, de acordo com Lydbrand que se aposentou como pastor de sua Igreja, em janeiro.

“As chances estão, há algo lá em curso. Existe um buraco na alma da pessoa,” disse ele.

O problema mais comum que Lydbrand disse que encontrou ao aconselhar casais foi que os cônjuges colocavam “máscaras” antes do casamento e pegavam outra pessoa como eles, só para chocarem seus cônjuges com seu verdadeiro eu, depois do casamento.

“Estamos colocando máscaras para conseguir que a pessoa a goste de nós, mas quando nos casamos, não podemos manter a máscara. Dizemos: ‘Este é o meu verdadeiro eu,” disse ele.

Em seu livro, Glaen: Uma Mensagem de Novela sobre Amor, Romance, e Relacionados, Lydbrand faz o ponto que o amor não se trata de como controlar e manipular a outra pessoa em quem nós queremos que ele seja, mas aceitar e respeitar a pessoa como ela é.

“O amor são duas pessoas aprendendo sobre como ser um com o outro, quando alguém te honra sendo quem você é,” disse ele. “Quando você é quem você realmente é, e quando a outra pessoa é que ele é verdadeiramente, então você tem um relacionamento real.”

“Nós gastamos muito tempo tentando manipular a outra pessoa em vez de tentar passar o tempo nos conhecendo uns aos outros e crescendo uns com os outros.”

No entanto, Lydbrand disse que, em qualquer relacionamento saudável, os casais podem discutir e concordar com as fronteiras, embora haja a premissa da liberdade.

“Eu diria, significaria muito para mim se você não tiver contato com paixões antigas no Facebook,” de acordo com o pastor aposentado. “Isso é diferente de dizer: ‘Eu vou jogar seu computador se você entrar em contato com antiga paixão no Facebook.”

“A maior proteção para o casamento é uma intimidade crescente, amor e unidade, a forma como a Bíblia diz,” acrescentou. “Se você estiver no Pikes Peak, não há muita chance de cair no Grand Canyon.”

Esse mesmo princípio se aplica às relações entre um pastor e sua Igreja, acrescentou o autor.

Ele disse que se ele fosse Miller, ele teria convocado os anciãos da Igreja e líderes a reunirem-se para discutir o problema do Facebook e concordar com uma solução em conjunto. E se Miller quisesse que os líderes de sua Igreja não caíssem nas mesmas tentações do Facebook, ele deveria passar mais tempo em seu discipulado e doutrinamento, argumentou Lydbrand.

“Não se trata de legislar a moralidade, mas trata-se da transformação de caráter,” argumentou Lydbrand

Presos 12 suspeitos de ataque a igreja cristã em Bagdá

Operação para resgatar reféns na igreja deixou mais de 50 mortos.

Doze suspeitos de planejar o ataque a uma igreja cristã em Bagdá em outubro foram presos, segundo informou neste sábado o ministro do Interior do Iraque, Jawad Bolani.

De acordo com Bolani, os detidos são alguns dos insurgentes mais perigosos do país, incluindo pelo menos um dos líderes do grupo Estado Islâmico para o Iraque – um braço da Al-Qaeda que reúne várias organizações sunitas.

O ministro descreveu as prisões como um ‘grande golpe’ para a Al-Qaeda no Iraque. Segundo o correspondente da BBC em Bagdá Gabriel Gatehouse, também foram apreendidos explosivos e equipamentos para fabricar bombas, que seriam usadas em futuras ações.

A polícia iraquiana capturou os suspeitos em operações de busca realizadas no bairro de Mansur, no oeste da capital, e na Rua Palestina, no leste da cidade.

Em 31 de outubro, uma operação para resgatar reféns na Igreja da Nossa Senhora da Salvação, a maior de Bagdá, deixou pelo menos 52 mortos e 56 feridos.

O Estado Islâmico para o Iraque reivindicou o ataque à igreja, dizendo que queria forçar a libertação de muçulmanos convertidos que estariam sido detidos pela Igreja Ortodoxa Copta no Egito.

Os cristãos têm sido alvo de constantes ataques na capital iraquiana, o que levou muitos deles a deixar o país. Cerca de 600 mil cristãos ainda moram no Iraque.

Marcos Pereira famoso por mediar conflitos entre policiais e bandidos, elogia tomada das favelas no Rio de Janeiro

O pastor da Assembleia de Deus dos Últimos Dias (Adud) , Marcos Pereira comemorou a ocupação da polícia ao Complexo do Alemão neste domingo, dia 28. O Dia D para o Rio de Janeiro culminou na apreensão de 40 toneladas de maconha. Marcos Pereira que ganhou mídia ao mediar conflitos semelhantes entre policiais e bandidos, disse que enviou equipe ao morro.

Apesar, segundo ele, do Governo não considerar oficial a negociação de Marcos Pereira, a equipe da Adud esteve na madrugada no Complexo do Alemão. Segundo divulgou Pereira alguns traficantes aceitaram o apelo e se renderam. “ O Governo teve atitude em tomar aquele espaço tomado por algo satânico”. Marcos Pereira disse que ficou não muito tempo no local para não ser acusado de oportunista pela mídia.

Segundo ele o instituto está dando assistência no local através de voluntários e comemorou o não derramamento de sangue durante a ocupação. “Cocaína é droga. Algo espiritual. Material bélico, não. Autoridades competentes precisam impedir que isto cheguem às mãos dos traficantes”, declarou.

domingo, 28 de novembro de 2010

Museu da Bíblia é uma das atrações da Virada Inclusiva

O Museu da Bíblia é uma das atrações da “Virada inclusiva – Participação Plena”, que acontece nos dias 3 e 4 de dezembro, em São Paulo. Promovido pela Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência do Governo do Estado de São Paulo, em parceria com a Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência e Mobilidade Reduzida de São Paulo, o evento conta com o apoio de organizações da sociedade civil, entre elas, a Sociedade Bíblica do Brasil (SBB), que disponibilizará transporte gratuito, a partir do Terminal da Barra Funda, ao MuBi, localizado em Barueri, na Grande São Paulo.

Este ano, a “Virada Inclusiva: Participação Plena” celebrará, o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência, comemorado em 3 de dezembro. O evento constitui de uma série de shows, palestras, oficinas, apresentações, mostras teatrais, exposições, partidas, gincanas e demais manifestações de arte, cultura, esporte e lazer em uma variada gama de lugares em diversos municípios do estado de São Paulo. As atividades acontecem entre os dias 3 e 4 de dezembro, contando com mais de 24 horas de diversão inclusiva e informação com participação plena de todos os cidadãos. Confira aqui programação completa.

A visita ao Museu da Bíblia está programada para o dia 3 de dezembro, às 10h30 e seguirá a seguinte programação:

10h30 – Saída do Memorial da América Latina – Metrô Barra Funda
11h00 – Chegada ao Museu da Bíblia em Barueri
13h00 – Confraternização
15h00 – Distribuição de materiais bíblicos e encerramento
15h30 – Retorno para o Memorial da América Latina – Metrô Barra Funda

Marcelo Aguiar, vereador e membro da Igreja Renascer em Cristo é agredido em sua casa

A guerra pela presidência da Câmara Municipal de São Paulo terminou em agressão física na noite da quinta-feira. Após descobrir que o vereador Marcelo Aguiar (PSC) organizava jantar a favor do vereador José Police Neto (PSDB), candidato apoiado pelo prefeito Gilberto Kassab (DEM), os vereadores Adilson Amadeu (PTB), Aurélio Miguel (PR) e o atual presidente da Casa, Antonio Carlos Rodrigues (PR), líderes do “centrão”, resolveram aparecer de surpresa no evento, no edifício de Aguiar, na Rua Cipriano Barata, no Ipiranga.

Aguiar desceu para receber os parlamentares. No momento em que recepcionava o trio no saguão do edifício, ele levou um soco no peito de Amadeu e foi chamado de traidor.

Amadeu diz que apareceu no prédio apenas para dar um “beijo” em Aguiar e negou de forma irônica o soco relatado por 12 dos 28 vereadores que estavam no encontro. “Esse moço é um estudioso da Bíblia, mas não cumpre nada do que ela diz. Eu fui lá para dar um beijo nele. Ele até nos convidou para jantar mas, como estou de dieta, preferi ir embora mais cedo”, ironizou Amadeu ao Estado.

Segundo Amadeu, Aguiar havia declarado apoio ao candidato do “centrão”, o vereador Milton Leite (DEM), e depois resolveu mudar para o lado de Police Neto. A agressão também foi registrada pelas câmeras internas do edifício, segundo um coronel da reserva da PM que mora no prédio e não quis se identificar.

Houve gritaria e tumulto entre moradores que estavam no salão de festas do local. A família de Aguiar também ficou assustada e chegou a ligar para um comandante da PM. Aguiar, porém, não quis registrar boletim de ocorrência.

No momento em que recebeu o soco de Amadeu, Aguiar, que é bispo da Igreja Renascer, estava ao lado dos vereadores Penna (PV) e Domingos Dissei (DEM). Era o segundo jantar em menos de uma semana organizado para angariar apoio à candidatura de Police Neto – o primeiro foi realizado na quinta-feira passada no apartamento de Marco Aurélio Cunha (DEM).

“A reunião era para o vereador mostrar seu apartamento novo e para discutir a composição dos partidos na nova Mesa Diretora. Mas, de repente, os três apareceram no prédio, como se a casa de um cidadão fosse a extensão do Legislativo”, relatou Claudio Fonseca (PPS), que apoia Police Neto. “O que o “centrão” quer é impor um estado de terrorismo aos que são contrários à candidatura deles, de forma inadmissível e autoritária. É um absurdo o presidente do maior parlamento municipal da América Latina ter uma atitude como essas”, completou Fonseca.

Tensão. A briga teve desdobramentos ontem no Legislativo. Na vaga destinada ao carro oficial de Aguiar foi colocada uma placa de dois metros com a inscrição em tinta “traidor”, em letras maiúsculas.

A briga também fez cair qualquer possibilidade de acordo para a votação dos 78 projetos que esperam análise dos vereadores. Por causa da disputa pela presidência, o “centrão” também tem boicotado as votações na Câmara há 40 dias. O bloco liderado por Rodrigues comanda o Legislativo desde 2006.

Kassab resolveu apoiar Police Neto para enfraquecer o grupo de Rodrigues, primeiro suplente de Marta Suplicy no Senado.

“Não estamos fazendo apologia do aborto; estamos dizendo não à hipocrisia”, afirma bispo Edir Macedo

Bispo Edir Macedo, líder da Igreja Universal do Reino de Deus já deixou claro que é a favor da descriminalização do aborto, porém como o assunto é delicado e gera muita discussão, principalmente no meio evangélico, Macedo recebe várias criticas por seu posicionamento. Em texto publicado no seu blog pessoal, bispo Macedo mostra alguns de seus argumentos para defender sua posição.

Confira na íntegra;

“Algumas pessoas têm questionado minha posição quanto à descriminalização do aborto. Um dos argumentos mais citados é quanto ao mandamento “não matarás”. Mas, me parece que o engano está na compreensão da totalidade do significado do termo “matar”.

O dicionário Houaiss, entre as várias definições que apresenta para este verbo, diz: “causar grande prejuízo ou dano a; arruinar.” E também: “causar sofrimento a; mortificar, afligir; ferir.” Vemos, com isso, que matar não é somente tirar a vida de alguém, mas também praticar qualquer ato que impeça que alguém tenha vida com qualidade, dignidade, felicidade.

Permitir que uma criança indesejada venha ao mundo em uma família desestruturada, sem condições de lhe oferecer uma vida minimamente digna, expondo-a à violência, maus tratos, perda da autoestima e tantas outras mazelas, não significa dar um ser à luz, mas sim condená-lo à morte; uma morte social e psicológica, que vai gerar a pior de todas as mortes: A ESPIRITUAL.

As crianças que andam pelas ruas, entregues à própria sorte, não nasceram; elas foram jogadas no mundo, como fruto da inconsequência e irresponsabilidade de adultos despreparados, muitos deles que apenas repetem a história de abandono e omissão da qual também foram vítimas.

Estas crianças, primeiro são odiadas por seus genitores e depois passam a ser odiadas pela sociedade. A mesma sociedade que levanta a bandeira do direito à vida é capaz de virar o rosto em atitude de asco, e atravessar a rua para não passar perto de um menor indigente estirado no chão, cheirando a fezes e urina. O nome disso é hipocrisia.

Os que gostam de apontar pecados, precisam ver que o erro não está em interromper uma gravidez indesejada, mas está antes: na banalização do sexo, na desinformação, nos inúmeros fatores que levam um casal a se relacionar e gerar um filho com o mesmo descompromisso com que encaram a própria vida.

Não estamos fazendo apologia do aborto; estamos dizendo “não” à hipocrisia. As mulheres não deixam de abortar porque isso é um ato ilegal. A decisão de interromper uma gravidez tem como motivo principal o fato de ela não ser desejada, causada por fatores que vão desde uma noite de loucura até violência sexual. Se esta decisão for tomada, ela será levada a cabo, independentemente de sua legalidade, em clínicas clandestinas, que podem levar estas mulheres à morte, mutilação ou sequelas de procedimentos mal realizados.

A legalidade do aborto permite que estas mulheres possam ser atendidas clinicamente da maneira que procede, e não coloquem sua vida em risco. Isso é direito à vida.

A legalidade do aborto evita que crianças inocentes venham ao mundo para sofrer e ter uma vida miserável.

A legalidade do aborto evita a clandestinidade dos procedimentos cirúrgicos.

Uma mulher que deseja interromper uma gravidez, seja pelo motivo que for, não é uma criminosa, é um ser humano em aflição, que precisa ser acolhido, amado, orientado e não condenado. É este o papel que a IURD tem realizado como Igreja.

A todas as pessoas que olham para estas mulheres com ódio e intolerância, achando que com isso estão agradando a Deus, fica esta Palavra: Qualquer que odeia a seu irmão é homicida. E vós sabeis que nenhum homicida tem a vida eterna permanecendo nele. I João 3:15″

Confira vídeo no qual Edir Macedo defende a descriminalização do aborto;

Com ajuda de pastor, líder do AfroReggae conversa com traficantes em favela no Rio de Janeiro

No Twitter identificado como o do coordenador do AfroReggae José Junior, o líder do grupo teria afirmado que já tem homens se rendendo no Complexo do Alemão, na zona norte do Rio de Janeiro. “Já tem gente se entregando espontaneamente”, dizia mensagem publicada no programa.

O líder do AfroReggae também teria postado mensagens em que falou sobre sua entrada na favela. “Estou com o pastor Rogerio, Chechena, JB, Cristiano, Bororo e equipe. Viemos por livre e espontânea vontade. Todos os riscos sao da nossa responsabilidade.”.

Pastor Rogério, a quem o líder do AfroReggae se refere, é Rogério Menzes, conhecido por intermediar conflitos com traficantes. “Pastor Rogerio é o cara que mais salvou vidas que eu conheço. Muitas inclusive na Vila Cruzeiro e no Complexo do Alemao. Homem de Deus”, afirmou.

Desde que entrou na favela, na no início da tarde deste sábado (27), José Junior estaria mandando informações sobre as negociações para que os criminosos se rendam por meio do Twitter.

Junior também teria afirmado que alguns policiais foram convidados a acompanhar o grupo. “Também convidamos alguns policiais e vi que todos querem resolver da melhor maneira possível.” E falou sobre o sentimento de participar das negociações. “Nessas horas que sentimos a presença de uma força muito maior que nos magnetiza em prol de uma energia maior”.

O líder do AfroReggae ainda afirmou que confia no governador Sérgio Cabral. “Confio. Admiro e Respeito muito o @SergioCabralRJ”, escreveu.

O deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL) também está a caminho do Complexo do Alemão, onde vai encontrar José Júnior. “Nosso objetivo é negociar para evitar o confronto entre a polícia e os traficantes, que pode gerar um banho de sangue e atingir muitos inocentes”, afirmou Freixo, que já atuou como mediador em rebeliões em presídios do Rio e inspirou o personagem Diogo Fraga, também deputado em “Tropa de Elite 2”.

Judeus e mulçumanos unem-se em orações para que chova na Terra Santa

Líderes religiosos do islamismo e do judaísmo da Terra Santa poucas vezes concordam em algum aspecto, mas nos últimos dias uniram-se por uma causa comum e passaram a rezar para que chova na árida região, que ao longo do mês de novembro registrou temperaturas típicas de verão.

Em igrejas, sinagogas e mesquitas, os fiéis aproveitam as orações para pedir que sejam abençoados com as chuvas, já que a atual seca poderia provocar enormes estragos à agricultura.

Há duas semanas, dezenas de imames, rabinos e um sacerdote cristão uniram suas forças em um inusitado encontro para orar juntos para que o outono comece a se manifestar.

Além da oração conjunta, houve uma série de iniciativas para que chova na Terra Santa, que abriga alguns dos lugares sagrados das principais religiões monoteístas.

Os rabinos Yona Metzger e Shlomo Amar deixaram claro em uma carta a seus seguidores que, por causa de seus “muitos pecados”, “a terra está seca”.

Nesta quinta-feira, os rabinos Menashe Malka e Reuven Deri subiram em um balão junto a Shavit Wiesel, a Miss Israel 2010, para pedir desde os céus do quente deserto do Neguev para que chova.

Eles entoaram uma oração do rabino Mordechai Eliahu, destinada especificamente para este tipo de ocasião, segundo informou nesta sexta-feira o jornal “Jerusalem Post”.

Ainda nesta quinta-feira, Metzger e Amar visitaram na cidade de Hatzor Haglilit, no norte do país, o túmulo de Honi HaM’agel, sábio judeu do século I a.C., famoso por invocar com sucesso a chegada da chuva.

Nas últimas duas semanas, os mais altos guias espirituais judeus convocaram os fiéis a vários dias de jejum como demonstração de sacrifício e purificação de seus pecados.

Na quarta-feira, dezenas de rabinos uniram-se em uma grande cerimônia com o mesmo objetivo a bordo de um navio no Mar da Galiléia, cujo nível diminui meio centímetro a cada dia.

Os dois rabinos comandaram uma oração especial que muitos judeus vêm recitando com fervor nos últimos dias para tentar reverter a alarmante situação.

O rabino Metzger afirma que há um ano eles viveram a mesma situação, depois que não choveu em metade do último inverno.

Segundo ele, as preces são tão poderosas que, depois de suas orações, começou a chover no final da estação e, com isso, evitou-se a seca, informou o jornal “Maariv”.

A relação entre as chuvas e o povo judeu está na Bíblia, no capítulo 11 do Deuteronômio, que adverte a esse povo que, se adorarem outros deuses, “não haverá chuva e a terra não dará seus frutos”.

Nesta sexta-feira, a poucos dias para o fim do mês de novembro, os residentes de Tel Aviv podem aproveitar a praia devido às altas temperaturas, que são ainda mais elevadas às margens do Mar Morto.

O fim de semana deverá ser ainda mais quente e os agricultores olham para os céus com a esperança de avistar ao longe alguma nuvem que anuncie uma tempestade.

Se a situação não mudar em breve, os peregrinos cristãos poderão chegar a Belém em algumas semanas e aproveitar um Natal que promete ser bastante quente.

Portas Abertas Internacional convoca cristãos à oraç

A Coreia do Norte é previsível em sua imprevisibilidade. Seus líderes têm feito tudo o que poderiam para criar uma crise na península Coreana. Seu exército torpedeou e afundou um navio da marinha Sul Coreana no início deste ano. No último domingo, 21 de novembro, tornaram-se conhecidas que a Coreia do Norte abriu novas instalações para enriquecer urânio.

Quando não tinham o desejo significativo e a Coreia do Sul continuou a realizar exercícios militares, a Coreia do Norte decidiu atacar a ilha às 14:30h, em 23 de novembro de 2010. A artilharia de bombardeio matou, pelo menos, dois soldados e feriu outros 15. O presidente Sul-Coreano chamou isso de retaliação. Ninguém sabe o que irá acontecer, mas o irmão André nos ensinou a sempre fazer uma pergunta: Há uma Igreja?

Ainda que o bombardeio de Yeongpeong seja a violência na pior escala desde o armistício de 1953, a estratégia por detrás é notavelmente previsível, e também brutal e efetiva. Kim Jong-un, nomeado sucessor de seu pai, precisa mostrar ao país – e ao mundo no que diz respeito ao assunto – o quão forte ele é. E ele precisa de uma maneira de extrair ajuda econômica e outras concessões.

Para a Coreia do Norte criar um senso de urgência para as Six-Party Talks, que são vitais para a sobrevivência da República Democrática da Coreia, como é oficialmente chamada, os líderes dispersam a comunidade internacional de recorrer aos seus direitos humanos e crises de alimento. A Coreia do Norte sabe que a comunidade internacional não quer uma reunificação rápida com o Sul. Ninguém estaria pronto. É desconhecido como a situação atual irá terminar, mas a Coreia do Norte joga cada jogo como se não tivesse nada a perder.

Oração

Em seu livro ‘Oração – a verdadeira batalha’ (tradução livre) o irmão André, fundador da Portas Abertas Internacional, desafia os cristãos a fazer uma pergunta sempre que uma crise ocorre em algum lugar do globo: Há uma Igreja? Há uma Igreja em ambos os lados da zona desmilitarizada que separa o Norte do Sul. Mas eles não poderiam ser mais diferentes.

Enquanto os cristãos sul-coreanos adoram a Deus livremente em suas igrejas, seus aproximadamente 400.000 irmãs e irmãos norte-coreanos lutam para sobreviver e são perseguidos impiedosamente. Por anos, a Coreia do Norte tem permanecido o número um da Lista de Classificação de Países por Perseguição, é um dos países onde é mais opressivo para um cristão viver. Até a posse de uma Bíblia pode motivar a morte de toda uma família ou enviá-la para um kwan li-so (centro de reeducação), um campo de concentração comparável ao Auschwitz-Birkenau (nome de um grupo de campos de concentração localizados no sul da Polônia, símbolos do Holocausto perpetrado pelo nazismo). Ninguém deixa esses campos vivos.

Muitos cristãos podem somente adorar a Deus quando toda a sua família é cristã. Cantar e orar em alta voz são muito perigosos. Contar a seus filhos sobre Cristo é muito arriscado. Os pais contam as suas crianças histórias da Bíblia como se fossem contos de fadas. Esta é a única maneira que os pais podem compartilhar algo de sua fé. Encontro de cristãos fora de sua família é praticamente impossível. Somente em ocasiões raras os cristãos podem adorar ou compartilhar juntos.

Entre 50.000 e 70.000 cristãos estão em campos de trabalho por causa de sua fé. No total, há centenas de milhares de prisioneiros em campos políticos, prisões e campos de reeducação. Em setembro, muitos prisioneiros e pessoas sentenciadas aos campos de trabalho foram perdoados por causa do Congress Party que conteve esse mês. Mas os campos vazios precisavam de uma nova mão-de-obra. O Ministério de Segurança prendeu temporariamente muitos outros e criou uma população fresquinha para o campo.

A Portas Abertas Internacional mantém os cristãos norte-coreanos em secreto com Bíblias, livros, educação e ajuda. Recebemos com frequência cartas de agradecimento de líderes de igrejas. Em cada carta, a Igreja global colabora com seu amor e provisão através das Portas Abertas Internacional. Em cada carta eles nos convocam a orar.

Nas palavras de um líder de igreja: “Estou muito admirado de ver nossas vidas de crentes de fé se tornando mais e mais estabilizada. Suas vidas estão em perigo todos os dias e ainda seguem o Senhor. Isso não poderia ser possível se não fosse pelo seu amor e empenho sem fim para com nossos crentes. Por favor, continuem orando por nós”.

Pedidos de oração:

Ore por uma solução de paz para o conflito atual e sabedoria para os líderes de todas as partes envolvidas.
Ore por persistência, força e proteção para a Igreja.
Ore pelo trabalho da Portas Abertas Internacional no fortalecimento da Igreja Perseguida na Coreia do Norte.

Piscina usada por saqueadores romanos é encontrada em Jerusalém

Ao escavar o terreno onde será construído um novo local para banhos judeus em Jerusalem (Israel), arqueólogos descobriram uma piscina que já pertenceu à legião romana. A mesma legião que saqueou Jerusalém cerca de 1.800 anos atrás.

A descoberta lança uma nova visão sobre a cidade de Aelia Capitolina que os romanos construíram em Jerusalém depois de expulsar os judeus da região e tomar-lhes o poder.

O diretor da escavação, Ofer Sion, disse que o local ajuda a provar que Aelia Capitolina era maior do que se pensava anteriormente.

Jerusalém é uma das cidades mais escavadas no mundo devido a sua riqueza histórica, e rotineiramente arqueólogos são enviados para examinar locais próximos a projetos de construções atuais.

Homem trabalha em sítio arqueológico em Jerusalém, onde foi encontrada piscina usada por soldados de legião romana
Durante a fiscalização que revelou a piscina, na parte antiga de Jerusalém, eles encontraram degraus que levavam a uma ala com mosaicos brancos no chão e centenas de telhas de terracota dispostas no telhado.

As telhas estavam gravadas com o nome da unidade romana — a Décima Legião– que construiu o lugar.

Sion acha que a piscina fazia parte de um complexo muito maior, onde milhares de soldados já se banharam.

Depois do achado arqueológico, a administração de Jerusalém disse que vai dar continuidade à construção do banho judaico onde será realizado o mikveh, um ritual de purificação segundo a religião judaica.

Segundo o órgão Autoridade de Antiguidades de Israel, os restos do balneário romano serão incorporados ao projeto atual.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Alunos e integrantes de movimentos gays realizam protesto contra Mackenzie


Alunos e integrantes de movimentos gays realizam protesto e fecham na tarde desta quarta-feira a Rua Itambé, 45, no bairro Consolação, em São Paulo, perto do colégio e da Universidade Presbiteriana Mackenzie. O ato foi organizado por universitários da instituição contra o posicionamento do reverendo Augustus Nicodemus Gomes Lopes, chanceler da universidade, em relação à lei que pretende criminalizar a homofobia. Em nome da intituição, o líder religioso que representa o Instituto Presbiteriano Mackenzie (entidade mantenedora) publicou carta em que cita passagens bíblicas e se opõe à aprovação da legislação.

O protesto provoca congestionamento na rua e impede cinco ônibus elétricos de circularem. Três carros da Companhia de Engenharia de Tráfego e uma da Polícia Militar acompanham a movimentação. O trânsito está sendo desviado pela Rua Maranhão. As aulas do Colégio Mackenzie também foram suspensas hoje à tarde em função do ato.

“A carta do chanceler é uma enorme ofensa tanto para os alunos como para a comunidade gay. As minorias devem ser respeitadas. A fala dele incita a homofobia”, diz Leonardo Nones, 18 anos, aluno de arquitetura e urbanismo da Mackenzie, um dos organizadores do ato, que também conta com a participação de alunos de outras universidades, como Carolina Latini, de 20 anos, estudante de ciências sociais na PUC-SP. A jovem apoia a manifestação e diz que a opinião de um chanceler não representa a instituição.

Para o professor e deputado estadual Carlos Gianazzi (PSol), a universidade não tem direito de reproduzir o pensamento homofóbico em seu site. Em microfone utilizado pelos estudantes durante a manifestação, ele afirmou que vai acionar o Ministério da Educação e Cultura (MEC) para que sejam cobrados esclarecimentos e se abra uma sindicância relativa às declarações do reverendo.

Em carta que foi publicada no site da Universidade Mackenzie, o líder religioso diz que a “cultura está mais e mais permeada pelo relativismo moral e cada vez mais distante de referenciais que mostram o certo e o errado”. Se por um lado defende o respeito a todas as pessoas, independente de escolhas sexuais, por outro reivindica o direito a livre expressão, que seria tolhido se a lei da homofobia for aprovada. A manifestação foi retirada do site, depois que uma agressão a jovens na Avenida Paulista, supostamente motivada por motivos homofóbicos, ganhou repercussão na semana passada. Em carta posterior, a universidade informou que o pronunciamento era de autoria da Igreja Presbiteriana do Brasil, realizado em 2007.

No fim da tarde desta quarta-feira, durante a realização do ato, o grupo emitiu mais uma nota oficial, na qual afirma que respeita o direito de expressão de todos os cidadãos e reconhece o direito de manifestação pacífica. “Hoje consolidada como uma das instituições de ensino mais conceituadas do país, a Universidade Presbiteriana Mackenzie, que possui cerca de 40 mil alunos e 3 mil funcionários, sempre prezou pelo respeito à diversidade e pelo direito de liberdade de consciência e de expressão religiosa”, diz a nota.

Número de jovens adultos abandonando o cristianismo bate recorde nos EUA


Sociólogos estão vendo acontecer entre os jovens adultos dos EUA uma grande mudança: o abandono do cristianismo. Uma resposta honesta requer um exame deste “êxodo” e alguns questionamentos sobre os motivos desta mudança.

Estudos recentes trouxeram à luz esta questão. Entre os resultados divulgados pela American Religious Identification Survey [Pesquisa de Identificação da Religião nos EUA] em 2009, um aspecto merece destaque. A porcentagem de americanos que afirmam ser “sem religião” quase duplicou em duas décadas, De 8,1%, em 1990, chegaram a 15% em 2008. Essa tendência não está limitada a uma região. Os “sem religião”, cuja resposta à pergunta sobre afiliação religiosa foi “nenhuma”, foi o único grupo que cresceu em todos os estados americanos, incluindo o conservador “cinturão bíblico” no sul. Os “sem religião” são mais numerosos entre os jovens: 22% dos entrevistados entre 18 a 29 anos alegou não ter religião, em contraste com os 11% de 1990. O estudo também descobriu que 73% deles cresceram em famílias religiosas, sendo que 66% foram descritos pelo estudo como “desconvertidos”.

Outros resultados da pesquisa foram ainda mais desanimadores. Em maio de 2009, durante o Fórum Pew sobre Religião e Vida Pública, os cientistas políticos Robert Putnam e David Campbell apresentaram uma pesquisa feita para seu livro American grace, lançado recentemente. Eles relatam que “os jovens americanos estão abandonando a religião em um ritmo alarmante, de cinco a seis vezes a taxa histórica (hoje, 30-40% não têm religião, contra 5-10% da geração passada)”.

Houve uma queda correspondente na participação em igrejas. Segundo o centro de pesquisas Rainer, aproximadamente 70% dos americanos deixam de se envolver com a igreja entre os 18 e 22 anos. O Grupo Barna estima que 80% daqueles que foram criados na igreja serão “desligados” ao completar 29 anos. David Kinnaman, presidente do Grupo Barna, descreve essa realidade em termos alarmantes: “Imagine uma foto do grupo de jovens que são membros de sua igreja (ou fazem parte da comunidade de crentes) em um ano qualquer. Pegue um pincel atômico grande e risque três de cada quatro rostos. Este é o número provável de desligamento espiritual durante as próximas duas décadas “.

Em seu livro unChristian [não Cristão], Kinnaman baseou suas descobertas em milhares de entrevistas que fez com jovens adultos. Entre suas muitas conclusões está a seguinte: “A ampla maioria das pessoas de fora [da fé cristã] neste país, particularmente entre as gerações mais jovens, na verdade são indivíduos sem igreja”. Ele relata que 65% dos jovens entrevistados dizem ter assumido um compromisso com Jesus Cristo em algum momento. Em outras palavras, a maioria dos que hoje são incrédulos são antigos amigos e adoradores de Jesus, foram crianças que uma dia o aceitaram.

Para esclarecer o discurso de Kinnaman, o problema hoje não são os “não cristãos”, mas os muitos ex-cristãos. Ou seja, não se trata de um “povo não alcançado.” Eles são nossos irmãos, irmãs, filhos, filhas e amigos. Eles já estiveram vivendo entre nós na igreja.

Em seu recente livro Christians Are Hate-Filled Hypocrites … and Other Lies You’ve Been Told, [Cristãos são hipócritas cheios de ódio... e outras mentiras que lhe contaram], o sociólogo Bradley Wright diz que essa tendência de os jovens abandonarem a fé em números recordes é “um dos mitos” do cristianismo contemporâneo. Wright vai na contramão, dizendo que cada geração é vista com desconfiança pelos mais velhos. Embora reconheça que “não podemos saber ao certo o que vai acontecer”, Wright acredita que a melhor aposta é que a história vai se repetir: “…os jovens geralmente abandonam a religião organizada quando saem de casa e se desligam da família, mas voltam quando começam a formar suas próprias famílias”.

Então, jovens de 20 a 30 e poucos anos estão abandonando a fé, mas por quê? Quando pergunto às pessoas da igreja, recebo alguma variação desta resposta: compromisso moral. Uma adolescente vai para a faculdade e começa a frequentar festas. Um jovem decide morar com sua namorada. Logo, os conflitos entre a fé e o comportamento tornam-se insuportáveis. Cansados de ter a consciência pesada e não querendo abandonar um estilo de vida pecaminoso, optam por abandonar seu compromisso cristão. Podem citar ceticismo intelectual ou decepções com a igreja, mas isso é mais uma espécie de cortina de fumaça para a esconder a verdadeira razão. “Eles mudam de credo para coincidir com suas obras”, diriam os meus pais.

Existe alguma verdade nisso, mais do que a maioria dos jovens que seguiram esse caminho gostaria de admitir. A vida cristã fica mais difícil ao enfrentar muitas tentações. Durante o ano passado, fiz entrevistas com dezenas de ex-cristãos. Apenas dois foram honestos o suficiente para citar questões morais como a principal razão do abandono da fé. Muitos experimentaram crises intelectuais que pareciam, convenientemente, coincidir com um estilo de vida fora dos limites da moralidade cristã.

O que os afastou na maioria das vezes? Os motivos de cada um são particulares, mas percebi nas entrevistas que a maioria foi exposta a uma forma superficial de cristianismo que acabou “vacinado-os” contra uma fé autêntica. Quando o sociólogo Christian Smith e sua equipe examinaram a vida espiritual dos adolescentes americanos, encontraram a maioria deles praticando uma religião que seria melhor descrita como “deísmo moralista terapêutico”. Colocam assim Deus como um Criador distante, que abençoa as pessoas “boas, legais e justas”. Seu objetivo principal é ajudar os crentes a “serem felizes e sentirem-se bem”.

A resposta cristã

As razões para o abandono são complexas. Uma parte significativa tem a ver com a nova cultura que vivemos, e há muito a ser pensado sobre isso. Mas os membros das igreja ainda tem controle sobre pelo menos uma parte do problema: o tipo de resposta dada.

Enquanto ficam perplexos, e com razão, ou mesmo arrasados, quando veem entes queridos se afastarem, não deveriam deixar que a tristeza tome conta deles. Conversei com um pai que estava deprimido ao ver seu filho adulto abandonar a fé. Ele disse que seu filho estava metido “em coisas satânicas”. Depois de uma pequena sondagem, descobri que o filho na verdade era um politeísta. Ele amava Jesus, mas via-o como uma figura em um panteão de seres espirituais. Ou seja, algo muito distante da avaliação de seu pai.

Ao falar com quem abandonou a fé, geralmente os cristãos tem uma dessas duas reações opostas e igualmente prejudiciais: partem para a ofensiva, dando um sermão cheio de julgamento ou ficam na defensiva, não se envolvendo no problema.

Observei durante as entrevistas outro padrão inquietante. Quase todos com quem falei lembraram que, antes de abandonar a fé, eram interrompidos quando expressavam suas dúvidas. Alguns foram ridicularizados na frente de colegas por causa de suas “perguntas insolentes”. Outros dizem ter recebido respostas banais às suas perguntas e foram repreendidos por não aceitá-las. Um deles recebeu literalmente um tapa na cara.

Em 2008, durante a reunião da Associação Americana de Sociologia, estudiosos das Universidades de Connecticut e do Oregon relataram que “a contribuição mais comum para a desconversão dos entrevistados foi os cristãos aumentarem as dúvidas já existentes”. Os “desconvertidos” afirmam ter “compartilhado suas dúvidas crescentes com amigo ou membro da família cristãos, apenas para ouvir respostas banais e inúteis”.

Mark Driscoll orienta pais a dar mais importância ao Natal


Quando se fala da decoração da árvore, do peru perfeitamente assado e os presentes que as crianças realmente querem, as mães parecem fazer o trabalho sem problemas.

Mas Mark Driscoll está numa missão para mudar todos os estereótipos do Natal e conseguir que pais se envolvam mais nessa época festiva.

O pastor da Mars Hill Church nos Estados Unidos acabou de lançar suas 10 “Dicas de Natal para o Papai” para ajudar pais a dar e receber mais no Natal.

Em vez de esperar as coisas acontecerem, Driscoll diz que pais precisam ter um plano para o Natal se quiserem se certificar que suas famílias se sintam amadas e que “memórias sejam feitas”.

“Pais precisam fazer memórias e não simplesmente dar presentes. Pai, que memórias especiais você pode fazer nessa época de natal?” diz ele.

Driscoll lembra os pais da necessidade de dar ao outros e separar tempo para eventos sagrados e ter experiências “para construir tradições familiares que são divertidas e apontam para Jesus”.

Fonte: Christian Today

Polícia suspende construção de igreja no Egito e entra em atrito com cristãos


Centenas de cristão realizaram protestos violentos nesta quarta-feira, 24, em Cairo, no Egito, depois que a polícia suspendeu a construção de uma igreja. Uma pessoa morreu nos incidentes, que mostram as tensões sectárias no país africano.

Carros e janelas foram depredados. Os manifestantes ainda tentaram invadir um prédio da administração municipal. A polícia entrou em conflito com os manifestantes no local de obras da igreja pela manhã. Horas depois, o palácio do governador foi atacado em represália.

Um cristão foi baleado e morreu ao chegar no hospital, segundo a agência oficial Mena. Ainda segundo a agência, 68 pessoas ficaram feridas e 133 foram presas. Dois padres foram convocados pela Promotoria Geral para um interrogatório.

Os cristão compõem cerca de 10% da população de 80 milhões de egípcios. Eles reclamam frequentemente da discriminação, embora geralmente vivam em paz com as comunidades islâmicas majoritárias. Os conflitos geralmente ocorrem por conta das construções das igrejas.

Segundo o governo, a suspensão das obras foi determinada desta vez porque não havia licença. “A decisão foi tomada porque as obras violavam as normas de segurança e porque eles tentava, transformar o prédio em um local de orações ilegalmente”, afirmaram as autoridades por meio de nota.

Assembleia de Deus em Santa Catarina organiza Congresso de Militares Evangélicos


Aconteceu no templo sede da Assembleia de Deus em Joinville, nos dias 19 a 21 de novembro, o X Congresso de Militares Evangélicos de Santa Catarina.

O tenente-coronel da Polícia Militar do Estado de Santa Catarina (PMSC), Emilson de Souza, presidente da UMESC, disse que há 21 atrás começou a UMESC em Lages na gestão do pastor José João Vieira, diante dele, com lágrimas agradeceu o apoio do pastor na época.

Esteve presente na abertura do evento (19), o coronel Ricardo Alcebíades Broering, sub-comandante geral da PMSC, além de diversos militares do alto escalão do Exército Brasileiro e representantes de autoridades civis.

O preletor da sexta foi o pastor Jean Max (RJ), Major do Exército Brasileiro, que ministrou de acordo com o tema do evento, em 1Cr 4.10. Ele enfatizou a expressão: “Quem depende de Deus só tem vitória!”

O evento teve ainda a particpação do Grupo de Militares de Araranguá, esposas de militares e mulhres militares.

O pastor presidente da IEADJO e da CIADESCP, Arcelino de Melo, expressou sua alegria ao receber os congressistas. “A cidade de Joinville está de portas abertas para receber os militares evangélicos de Santa Catarina”.

O preletor da noite, pastor Jean Max, ministrou baseado em Mt 13.33, 16.16-19. “Jesus manifestou-se para desfazer a obras do diabo”. Durante a mensagem o pastor enfatizou que Jesus tem todo o poder nos céus e na terra.

Nos dias do evento, muitas almas renderam-se aos pés de Jesus, aceitando-O como Senhor e Salvador pessoal.

No domingo (21), o evento iniciou às 9h da manhã com a total participação dos militares na leitura da Palavra de Deus, louvores e testemunhos. Durante as participações era visível a alegria e emoção nos presentes.

Pastor Arcelino de Melo, ministrou a Palavra de Deus com a base bíblica em Mc 6.33-44. “O Senhor dá pão ao faminto, dá água ao sedento. É o Senhor que atende a necessidade de cada um”.

A noite de domingo foi pequena para a realização do encerramento do Congresso da UMESC com a presença do Caral Harmonia Santa, a Orquestra Ofieadjo que também abrilhantaram o evento.

Presbítero Levi Lima, coordenador da Umesc Norte, agradeceu a todos que indispensavelmente colaboraram com a organização do evento. “Agradeço ao pastor Arcelino que mos deu total apoio para a realização do Congresso dos Militares Evangélicos”.

O preletor na noite de domingo foi novamente o pastor Matias Soares que ministrou 1Cr 13.5-14. Durante a mensagem, o pastor Matias enfatizou que o crente precisa ter vida de oração, que significa relacionamento com Deus. “O Rei Davi falhou quando ordenou trazer a Arca da Aliança em cima de bois, não pediu autorização a Deus, transferiu responsabilidades, faltou temor de Deus por parte de Uzá. Todo projeto, sonho ou trabalho precisa começar com oração”. No desenrolar da mensagem o pastor Matias pregou que Davi reconheceu seus erros e levou todos ao temor e adoração ao Deus de Israel.

Evangélicos entregam Bíblias em braile no interior paulista


Representantes do Conselho de Pastores e da Sociedade Bíblica do Brasil doaram bíblias em braile para a Associação de Deficientes Visuais de Taubaté e a Biblioteca Municipal, em cerimônia realizada dia 16, na Câmara. O evento contou com a participação do vereador Chico Saad (PMBD) e a presença de pastores, líderes evangélicos e autoridades civis.

“A doação das bíblias especiais é um gesto de extrema importância para a inclusão social das pessoas com deficiência no âmbito religioso, dimensão fundamental na existência humana”, afirmou Saad.

Os representantes da diretoria do Conselho de Pastores, André Zion Roth, Santo Exposito e Roberto Moreira conduziram a cerimônia e promoveram momentos de oração e louvor.

“Taubaté é a segunda cidade do Brasil a ter bíblias em braile, motivo de orgulho para nosso povo, porque nos coloca na rota certa para que projetos que visem à inclusão social saiam do papel e tornem a vida dos deficientes mais acessível e prática”, afirmou pastor Roth. Ele lembrou o “Congresso pela causa da Bíblia”, realizado na escola Henrique Saad Vialta no primeiro semestre.

O evento contou com a apresentação musical de Nery Lima e de integrantes da comunidade evangélica. A leitura das Escrituras em braile foi feita por Renato, que interpretou um trecho do Evangelho de João.

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Com mais de 70 mil participantes, campanha “É tempo de ouvir a Palavra de Deus” da SBB continuará em 2011

Lançada em junho de 2009, a campanha “É tempo de ouvir a Palavra de Deus”, em torno da audição do Novo Testamento e que se encerraria no final de 2010, continuará em vigor ao longo de 2011.

Até o final de outubro último, tinham sido formados perto de 6,2 mil grupos de audição do Novo Testamento, num total aproximado de 71 mil participantes. Além disso, para ouvir a Palavra de Deus, foram distribuídos aos grupos inscritos aproximadamente 14,5 mil exemplares da Bíblia em áudio, gravada no formato MP3. O material contendo o Novo Testamento está disponível em três traduções: Almeida Revista e Atualizada (RA), Almeida Revista e Corrigida (RC) e Nova Tradução na Linguagem de Hoje (NTLH).

“Em 2010, percebemos que cresceram o envolvimento e receptividade das igrejas com a campanha. Muitas aderiram. Agora, para 2011, acredito que haverá mais adesões do que nos anos anteriores”, vislumbra o coordenador nacional da campanha, Eude Martins.

Engaje sua igreja e participe desta campanha!

Intolerância religiosa pode ter causado a morte de um fiel ligado à Igreja Deus é Amor

Segundo o delegado Eduardo Moraes, amigos do evangélico Nilton Rodrigues, de 34 anos, contaram que as agressões generalizadas e a morte dele foram antecedidas por ofensas contra a religião da vítima. O policial contou que os indícios apurados até o momento reforçam que pessoas ligadas ao umbandismo podem estar envolvidas no conflito.

Houve um desentendimento e o evangélico Nilton Rodrigues, 34 anos, foi esfaqueado no pescoço e morreu no local. O pastor João Carlos de Oliveira ficou ferido e foi levado por uma equipe do Samu ao Hospital Getúlio Vargas, onde segue internado.

De acordo com testemunhas, três homens e duas mulheres seriam os autores do ataque.

Moraes lembrou que a linha que a investigação está seguindo é baseada apenas no relato de um dos lados envolvidos na briga, já que os acusados ainda não foram identificados.

A polícia já havia divulgado que uma troca de ofensas entre a vítima, amigos dela e outras três pessoas, de outra religião, antecederam o homicídio. Além disso, descartou uma execução pré-planejada e consumada no alto do morro. O local em que ocorreu o crime é frequentado por fiéis de diferentes religiões.

Entenda o caso

Por volta da 0h20min do dia 11 de novembro (quinta-feira), oito evangélicos foram surpreendidos pela chegada de um grupo de cinco pessoas que seriam membros de uma religião de origem africana que chegaram ao local para fazer oferenda. Houve um desentendimento e o evangélico Nilton Rodrigues, 34 anos, foi esfaqueado no pescoço e morreu no local. O pastor João Carlos de Oliveira ficou ferido e foi levado por uma equipe do Samu ao Hospital Getúlio Vargas.

De acordo com testemunhas, três homens e duas mulheres seriam os autores do ataque.

Gibi bíblico reúne 215 histórias de ação do Velho e Novo Testamento

Em tempos modernos, é preciso reinventar os modos de transmissão da Palavra de Deus para a atual geração de jovens. Uma novidade do gênero é a publicação The Action Bible (A Bíblia de Ação), lançada em setembro último pela editora cristã americana David C. Cook.

O livro bíblico foi concebido na diferenciada forma de revista em quadrinhos. Reúne 215 histórias de ação em ordem cronológica do Velho e Novo Testamentos, totalizando 750 páginas coloridas com ilustrações contemporâneas. Os diversos personagens bíblicos foram desenhados com contornos de super-heróis. Entre as principais histórias retratadas, estão as de Moisés, Jacó, Abraão, José, Davi e Sansão. Como não poderia deixar de ser, Jesus é o personagem principal.

Todo o projeto ilustrativo da obra é assinado pelo renomado cartunista brasileiro radicado nos EUA, Sergio Cariello, que também integra a equipe da Marvel Comics, desde 1992. O artista recifense levou três anos para concluir todos os desenhos e foi escolhido para o trabalho após ganhar um concurso de desenhistas latinos cristãos. “Procurei usar nos desenhos bíblicos um efeito dinâmico, com design de ação e aventura. O apelo visual faz a leitura fluir de uma página para a outra. É uma maneira atraente de ler a Bíblia e entender sua história, com muita imagem e pouco texto”, explica.

Por enquanto, o moderno gibi bíblico existe só na versão em inglês. Mas no futuro pode ser impresso em outros idiomas, graças ao sucesso de público. Logo no primeiro mês de lançamento, foram vendidos mais de 30 mil exemplares. A primeira tiragem de 75 mil cópias também já se esgotou. “Crianças e adolescentes, que nunca antes leram a Bíblia, agora não conseguem para de ler por causa das imagens e histórias animadas. Os e-mails que recebo indicam ainda que os adultos deleitam-se de igual modo”, testemunha Sergio Cariello.

A publicação está em sua 2ª edição – a primeira versão data dos anos 1970 – e é vendida em todas as livrarias evangélicas e convencionais dos EUA. Custa US$ 25 e também pode ser comprada no site www.theactionbible.com.

Pastor americano anti-facebook propõe deixar o cargo por ter feito sexo a três

Um pastor americano que critica o Facebook alegando que o site leva à infidelidade se propôs a renunciar ao cargo nesta segunda-feira após revelações de que teria feito sexo a três com sua mulher e um assistente paroquial.

O pastor Cedric Miller discursou aos fiéis na Igreja da Irmandade da Palavra Cristã Viva na cidade de Neptune, em Nova Jersey, Estados Unidos, por uma hora neste domingo (21), reiterando sua convocação aos líderes da instituição e seus seguidores a cancelarem suas contas no Facebook, alegando que o site leva as pessoas a terem comportamentos infieis.

O sermão ocorreu justamente após o jornal “Asbury Park Press” relatar que o pastor de 48 anos testemunhou em 2003 que havia feito sexo a três com sua mulher e um assistente da igreja ainda em 1993.

Miller pediu desculpas pelo que havia chamado de “transgressão tola do passado” e ofereceu deixar o cargo de ministro sênior se os líderes da Igreja o considerarem incapaz de servir.

// Falando em Facebook, entre em nossa página de fã =) www.facebook.com/gospelprimefb

Igrejas cristãs contribuíram para o crescimento do mercado de trabalho dos intérpretes de LIBRAS

Desde os anos 1980, as Igrejas protestantes são o principal reduto de formação de intérpretes da Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS). É de lá que também surgem os primeiros pesquisadores sobre o assunto e, principalmente, a consciência da importância da comunicação com surdos por meio de sinais. É o que constata César Augusto de Assis Silva, cientista social e autor da tese de doutorado Entre a deficiência e a cultura: Análise etnográfica de atividades missionárias com surdos, defendida na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP.

Segundo o pesquisador, a igreja foi a primeira instituição a promover esse tipo de educação, já que instituições laicas não abrangiam atividades para pessoas com deficiência auditiva. “Os protestantes (luteranos e batistas) foram os que tiveram atuação mais forte no trabalho missionário utilizando a LIBRAS porque trataram os sinais como uma linguagem que devia ser levada a sério. A igreja católica, que foi a primeira a promover a educação de surdos, historicamente prezou mais o ensino da oralidade, apesar de atualmente também utilizar sinais”, explica Assis Silva.

A partir desse pioneirismo das igrejas protestantes, surgiram os primeiros intérpretes e intelectuais dispostos a estudar a língua de sinais, que começaram a ocupar uma posição de grande relevância na relação entre surdos e não surdos, no movimento social, em instituições universitárias e no mercado. “Se uma pessoa com surdez quisesse reivindicar algo, falava com o intérprete, que fazia a tradução do que era dito. Essa foi uma das características que estimulou a atuação do intérprete como um profissional do mercado de trabalho”, diz o cientista social.

Atividade missionária

Analisando documentos históricos, dicionários e matérias de evangelismo, visitando ambientes com pessoas cristãs (igrejas, congressos e acampamentos) e entrevistando fiéis, pastores, padres, ativistas políticos, linguistas, pedagogos e intérpretes, Assis Silva notou que as atividades de evangelização com surdos desempenhavam um papel missionário muito semelhante às atividades de missões que são realizadas quando membros da igreja viajam para outros locais, a fim de levar o evangelho a outras culturas e outros contextos. “É possível entender essa atitude como uma tentativa de inserção no mundo das pessoas com surdez também, adaptando-se ao contexto delas. Isso foi realizado, sobretudo, pelos batistas”, conta o pesquisador.

Há uma terceira igreja cristã que também foi analisada pelo cientista social: as Testemunhas de Jeová. “Essa igreja fundou congregações específicas para surdos, onde todas as pessoas usam língua de sinais. Como a pregação também é feita dessa forma, não é necessária a atuação do intérprete, diferentemente de igrejas protestantes e da igreja católica”, diz Assis Silva.

A partir dessas congregações, o pesquisador também notou que há sinais específicos, adaptados para cada instituição. “Entre as testemunhas de Jeová, por exemplo, não há sinais como alma ou inferno, porque isso não faz parte das crenças dessa instituição. Para essas palavras, são feitos os sinais que representam carne e sepultura, respectivamente”. O cientista social diz que a palavra “cristão”, nas três instituições estudadas, são feitas de forma diferente, retratando o católico, a testemunha de Jeová e o crente (forma como se autodenomina o protestante).

Português para surdos

Assis Silva diz que as reivindicações políticas, desde os anos 1990, são pela promoção da educação bilíngue para pessoas com surdez. “De acordo com esse modelo de educação, a primeira língua que os surdos aprendem é a LIBRAS. O português deve ser aprendido como segunda língua”, explica.

O pesquisador conta que a mobilização pelo ensino e aprendizado da Língua Brasileira de Sinais está crescendo em todo o País. “Hoje há a cursos de graduação que formam tradutores e intérpretes em LIBRAS/português, bem como cursos de Letras LIBRAS. A conquista desse espaço é muito importante para a disseminação dessa língua e inclusão social de pessoas surdas”, diz.

Segundo Assis Silva, essas transformações vêm no bojo do reconhecimento legal da LIBRAS, por meio da Lei Federal 10.436, de 24/04/2002, regulamentada pelo Decreto Federal 5626, de 22/12/2005. Como o pesquisador demonstra em sua tese, agentes religiosos foram fundamentais para a consolidação dessa normatização jurídica da surdez.

Programa Raul Gil vê audiência aumentar com atrações evangélicas

Os tempos de baixa audiência do Programa Raul Gil ficaram definitivamente para trás. Desde que chegou ao SBT, em junho, depois de cinco anos na Bandeirantes, o apresentador só vê sua média de pontos no Ibope crescer. Enquanto na Band, em seus últimos meses no ar, vinha dando média entre 4 e 5 pontos no Ibope, na emissora de Silvio Santos a atração mantém a média de 11 pontos e chega a picos de 13, empatando com seu concorrente mais forte, o Caldeirão do Huck, apresentado por Luciano Huck, na Rede Globo. Para Raul Gil, de 72 anos, quase 60 de carreira, a explicação é simples. “A boa audiência do programa vem ao encontro do gosto do telespectador, que se cansou um pouco de baixaria”, disse o apresentador no estúdio, no dia em que a reportagem acompanhou as gravações da atração que ele comanda.

Raul Gil parece saber exatamente como fazer para obter essa audiência. No estúdio, é figura compenetrada. Antes de todos, grava os merchandisings. Em seguida, se recolhe ao camarim, para um retoque na maquiagem. Já no palco, quando fala, a equipe se mantém em silêncio total. Até os cantores amadores que vão ao programa recebem dicas do veterano. Foi assim com a primeira candidata do concurso na gravação. Nervosa, a moça errou o momento de começar a cantar. “Para tudo!”, disse Raul. “O que aconteceu? Não fique nervosa, vai dar tudo certo”, disse carinhosamente à caloura. A moça respirou fundo. Errou de novo. Raul Gil pediu para parar. Só na terceira vez ela acertou.

Na receita de sucesso de Raul Gil, quadros simples como o concurso “Jovens talentos”, no qual cantores e cantoras entre 15 e 25 anos disputam, semana após semana, um contrato de trabalho com a gravadora Sony Music. A final da primeira temporada do quadro no SBT, em 9 de outubro, levou o programa a bater o seu primeiro recorde, com 13 pontos no Ibope. A vencedora, a cantora gospel Brenda dos Santos, comemorou o prêmio com lágrimas e um agradecimento a Deus no palco. No CD que Brenda vai gravar, três participações especiais de seus colegas e ex-concorrentes, todos cantores gospel. Católico, Raul Gil acredita que a música religiosa tem forte apelo. “Não é só evangélico. Se aparecer um espírita aqui cantando música boa vai fazer sucesso”, disse.

A PRÓXIMA MAÍSA

Outro ponto forte do programa é o quadro “Eu e as crianças”, em que Raul divide o palco com a garotada, que encara as câmeras para exibir números variados, de dança, canto, interpretação e sapateado. Enquanto o quadro está no ar, o “vovô Raul”, como é chamado pelas crianças, conta com duas assistentes de palco aspirantes a estrelas: Yasmim, de 9 anos, e Milena, de 3. Inteligente, e com bochechas irresistíveis, a pequena Milena chama atenção por suas semelhanças com outra criança prodígio, também revelada por Raul Gil: Maísa. Hoje, com 7 anos, ela apresenta o Bom dia & Cia., às quintas e sextas, e o Sábado animado, aos sábados, no SBT.

Toda as quartas, Milena sai de Curitiba, onde mora, acompanhada pela mãe, a cantora gospel Ana Cristina, e enfrenta uma hora de voo até São Paulo. “Quando tem gravação, ela acorda às 6h. Mas às 5h30 já está em pé, gritando e pulando”, conta a mãe, evangélica da Quarta Igreja do Evangelho Quadrangular. Antes de fazer maquiagem e cabelo para entrar em cena, Milena tira uma soneca nos camarins. Durante a preparação, interage com todos, fazendo perguntas e comentários nada convencionais para uma criança de sua idade. Perguntada sobre qual é sua cantora favorita, a menina surpreende e aponta para si mesma. Na hora de escolher o que vai ser quando crescer, outra surpresa: “Mas eu já sou cantora. Sou uma artista de Jesus”.

Tanta simpatia e esperteza conquistou o público de casa, e a menina já tem até fãs. “Onde ela para, forma uma rodinha de adultos e crianças”, conta a mãe. Milena ensaia seu repertório gospel todas as manhãs, e tem agenda lotada. O sucesso que a menina faz com o público, Raul Gil explica. “A Milena faz aquelas orações, põe a mãozinha dela para cima. Os católicos, espíritas, ficam impressionados e emocionados com o jeitinho dela. Quando encontro senhoras na rua, elas me falam que se sentem bem quando a veem fazendo isso.”

PÉROLAS DE MILENA

• Ao comentar sobre as cantoras que mais aprecia: “Não gosto da Xuxa. Gosto mais de Mara Maravilha e Ana Paula Valadão (ambas cantoras gospel).”

• Ao responder sobre o que vai ser quando crescer: “Não vou ser dona de casa. Eu vou ser cantora. Eu já sou artista de Jesus”.

• Quando revela gostar de fazer cabelo e maquiagem para as gravações: “Eu fico parecendo uma noiva, bem bonita. Você é feia (diz, olhando para a repórter)”.

• Ao falar sobre o que gosta de comer: “Eu gosto de pepino, pimentão, arroz e feijão. Você tem uma bala aí?”

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Vidas transformadas através do grupo Força Jovem da Igreja Universal

O grupo Força Jovem Brasil, da Igreja Universal do Reino de Deus, leva milhares de jovens a terem um compromisso sincero com a Palavra de Deus por meio de projetos sociais que visam afastá-los das drogas e da criminalidade. Além disso, o grupo incentiva os talentos artísticos, esportivos e profissionais de cada participante.

O projeto “Dose mais Forte” promove a conscientização da juventude sobre os perigos do uso de entorpecentes, realizando palestras e visitas em escolas e comunidades carentes. Já o “Se liga 16”, trabalha para mostrar a importância dos direitos e deveres de cada jovem cidadão, principalmente ao completar 16 anos de idade, promovendo ações sociais como, por exemplo, atendimento médico, corte de cabelo, manicure e pedicure e distribuição de cestas básicas.

Na educação os jovens podem contar com o programa “Jovem Nota 10”, em que cursos gratuitos são oferecidos a eles acompanhados de palestras e workshops em diversas áreas. Além de bem informados, os jovens também podem exercer atividades culturais por meio da dança, da arte e da música.

Vidas transformadas

No Paraná, Mayara Figueiredo, estudante, de 18 anos, (foto ao lado) conta que na família dela havia muitas brigas e conflitos. A mãe teve a iniciativa de participar de uma reunião na Igreja Universal e a convidou para ir também. Hoje, a família vive em paz, e, há 5 anos ela faz parte do Força Jovem. “É muito gratificante, pois posso levar essa experiência para os outros jovens”, comenta.

Em Santa Catarina, a gerente administrativa, Elisandra Spachinski, de 18 anos, está na igreja há 3 anos. Antes, ela sofria com síndrome do pânico e sentia um vazio muito grande. “Eu tentava preenchê-lo saindo para baladas com os amigos, mas, quando chegava em casa, voltava o desânimo”, diz. Elisandra conheceu a Igreja e começou a participar das reuniões dos jovens. Hoje ela está liberta da síndrome do pânico e o vazio que sentia foi preenchido pela presença de Deus.

Na capital alagoana, em Maceió, não é diferente. Fernando do Santos, de 26 anos, era um jovem viciado em maconha, crack, álcool e cigarro. Ele chegou ao ponto de roubar para sustentar os vícios. Por não ter dinheiro para pagar os traficantes, ele era constantemente ameaçado de morte por eles. Em uma dessas situações, foram disparados contra ele cinco tiros, mas, por um milagre, a arma falhou. Nesse momento ele viu o poder de Deus na vida dele. Diante disso, ele tomou uma atitude e, procurou ajuda na Igreja Universal do Reino de Deus. Participando das reuniões, ouvindo as orientações dos bispos e pastores, aos pouco a vida dele foi mudando. Ele largou os vícios e teve a família transformada. “Eu tive um verdadeiro encontro com Deus, e hoje, sou outra pessoa, graças a Deus”, agradece Fernando.

Mas os benefícios não se limitam aos jovens brasileiros. Do outro lado do mundo, no Japão, Aline Marçal, de 19 anos (foto ao lado), sofreu muito até encontrar o Senhor Jesus. Ela conta que, durante a adolescência, se envolveu com más companhias, e por não obedecer aos pais, havia muitas brigas dentro de casa.

Na escola, Aline lembra que chorava de tristeza. “Minhas amigas quando me viam triste na escola, sempre me levavam para sair, no intuito de me alegrar. Mas quando chegava em casa, sentia que a angústia e o vazio continuavam dentro de mim. Muitas vezes tive desejo de morrer, pois achava que não havia solução para os meus problemas. Procurei encontrar a felicidade nas coisas erradas, mas a situação só piorou”, lembra.

Agora, Aline tem uma nova vida, pois encontrou a força que precisava para lutar e vencer. “Antes, eu conhecia a Deus só de ouvir falar, mas participando das reuniões na Igreja Universal, pude ver Deus se manifestando em minha vida. Hoje, não há mais tristeza, não tenho mais desejo de morrer, não preciso estar com outras pessoas para me sentir bem, tenho alegria aonde quer que eu esteja. Minha família está unida, respeito e amo meus pais e devo tudo isso ao Senhor Jesus”, finaliza.

Grupo ganha na loteria com bilhete comprado em sex shop e promete ajudar igreja

Um grupo de amigos e familiares ficou rico depois de ganhar uma bolada de quase 129 milhões dólares com um bilhete de loteria. O que chama atenção é que foi comprado em um sex shop de Detroit e agora parte do dinheiro terá um destino sagrado.

Mike Greer, membro do grupo que fez o bolão, apareceu para reivindicar o prêmio “Powerball” em nome dos outros, que preferem permanecer anônimos. Greer disse apenas que seu grupo dará parte do prêmio para a igreja que eles pertencem.

“A única coisa que consigo pensar é que o Senhor confiou em nós para fazer certas coisas com esse dinheiro que Ele nos deu”, disse. “Essa é a única coisa que passa pela minha cabeça.”

Greer, de 49 anos, morador de Farmington Hills, tem uma empresa de imagem digital. Ele não quis dar detalhes sobre os outros membros do Team Victory (equipe vitória) da igreja a que vários deles pertencem.

Disse ainda que não foi ele que comprou o bilhete e não sabe se foi adquirido dentro da Livraria Uptown ou no balcão que vende loteria em anexo. Mas disse que o grupo não se importa onde foi comprado. Muitos clientes da Uptown, que vende livros eróticos e aluga filmes pornô, compram bilhetes de loteria.

O Team Victory irá dividir cerca de 70 milhões dólares. Eles preferiram receber o valor menor à vista, ao invés de ganhar os 129 milhões em prestações anuais, algo comum na loteria americana. O sorteio teve ainda outro vencedor, Steve Mays, que recebeu 141 milhões dividido em 26 parcelas anuais de 5.4 milhões de dólares.

Universidade alemã oferece espiritualidade como disciplina de Medicina

“Spiritual Care” é uma matéria obrigatória na Universidade de Munique que visa ajudar os médicos a prestarem assistência espiritual e psicológica para pacientes terminais. Durante um curso de medicina, os futuros médicos aprendem muito sobre doenças e seus tratamentos. Mas o que faz um médico quando um paciente não pode mais ser curado? Ou seja, quando não se trata apenas de assistência médica, mas de apoio emocional?

Pacientes têm direito à assistência espiritual

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), todo paciente terminal tem direito a ajuda médica, psicológica e espiritual. Mas este último aspecto ainda é pouco explorado.

“Tornar médicos jovens e mesmo os mais experientes aptos a prestar assistência espiritual é visto por nós hoje como uma tarefa da medicina”, afirma Eckhard Frick, professor da Universidade Ludwig Maximilian, de Munique. Juntamente com o colega de trabalho Traugott Roser, ele criou a primeira disciplina obrigatória de “Spiritual Care” da Alemanha.

Um projeto singular na Europa

Com a cátedra “Spiritual Care”, a Universidade em Munique é a única da Europa que cumpre a exigência da OMS. Em salas de leitura, grupos de discussão e seminários, os alunos debatem temas como luto, assistência psicológica e espiritualidade.

Professor Traugott Roser, da Universidade de Munique
A disciplina é ministrada em cooperação com as faculdades de Teologia e Ciências Sociais da Universidade de Munique. A disciplina está associada à medicina paliativa – uma matéria do curso de medicina que se concentra em pacientes com doenças em estágio avançado e expectativa de vida limitada.

Desde 2009, a medicina paliativa é obrigatória nos cursos de medicina. Sua prioridade é melhorar a qualidade de vida dos pacientes e de suas famílias. Isso inclui responder a questões sobre, por exemplo, o sentido da vida.

Ateus também têm orientação espiritual

Ao contrário dos capelães em hospitais, que trabalham pela igreja, os dois professores exercem suas atividades em nome da faculdade de medicina e trabalham com todas as confissões, embora sejam mais explorados os fundamentos do Cristianismo e do Judaísmo.

De acordo com Frick, mesmo um ateu tem uma orientação espiritual, o mais tardar quando ele se depara com a finitude de sua vida.

O aspecto mais importante: a fonte de energia

“Spiritual Care” exige que os médicos não deem respostas padrão. O paciente deve ser o mais importante. “Procuramos estabelecer um diálogo sem estipular que ele deva pensar isso ou fazer aquilo”, afirma o médico que ensina Antropologia Psicossomática. Os futuros profissionais precisam, logo no início do tratamento, encontrar as fontes de energia de seus pacientes, explica.

Música pode trazer conforto para os pacientes
Tal fonte que muitos religiosos entendem como Deus varia bastante para cada pessoa. A visita de amigos, por exemplo, pode ser uma fonte de energia, assim como uma música de Mozart – um artista que desde muito jovem se deparou com a morte. “Mozart também teve uma orientação espiritual, que pode ajudar as pessoas nos dias de hoje”, afirma Eckhard Frick.

Ceticismo dos colegas

Alguns colegas médicos veem com ceticismo a mescla entre espiritualidade e medicina e muitos descrevem o trabalho de Eckhard Frick e Traugott Roser como uma disciplina irrelevante. “Spiritual Care”, também conhecida como “disciplina experimental”, terá cinco anos para se afirmar, tempo assegurado pelo financiamento.